top of page
  • Foto do escritorCris Devakant

Como se sentir bem

Sentir-se bem consigo mesmo é uma jornada que envolve autoestima, autoconfiança e autorrealização. Esses aspectos da vida pessoal são alimentados por atividades que nos trazem alegria e satisfação. Quando nos dedicamos a fazer o que gostamos, somos recompensados com uma sensação de plenitude emocional.


uma mulher sentindo-se bem
sentindo-se bem

O lazer é importante


Por isso, o lazer e os hobbies desempenham um papel crucial na manutenção de uma saúde equilibrada. No turbilhão da vida cotidiana, onde o trabalho e as obrigações muitas vezes consomem grande parte do nosso tempo e energia, o lazer é frequentemente negligenciado. No entanto, é essencial reconhecer que o lazer não se limita a atividades que exigem gastos financeiros ou passeios extravagantes.


O verdadeiro lazer é aquele que reflete a nossa essência. É a leitura que nos transporta para outros mundos, a escrita que nos permite explorar nossos pensamentos mais profundos, ou o simples ato de cozinhar uma refeição que nutre tanto o corpo quanto a alma. Pode ser qualquer atividade que nos faça sentir vivos e nos permita expressar nossa criatividade, como dançar, cantar, tocar um instrumento, desenhar, pintar, bordar, plantar, caminhar, correr, nadar etc.


Essas atividades, muitas vezes simples e intrínsecas à nossa personalidade, são as que nos fazem perder a noção do tempo e nos afastam das preocupações da vida. Elas são espontâneas e fluem naturalmente, pois fazem parte de quem somos. Ao nos engajarmos nessas práticas, não apenas encontramos prazer, mas também alcançamos um sentido de autorrealização, deixando nossa marca pessoal no mundo.


Ao abraçar o lazer e os hobbies que ressoam com nosso ser, não só melhoramos nosso bem-estar emocional, mas também enriquecemos nossa vida com experiências significativas. Portanto, é importante fazer espaço para o lazer em nossas vidas, não como um item de luxo, mas como uma necessidade fundamental para o nosso crescimento pessoal e felicidade.


Resgate a criança dentro de você


Para redescobrir o prazer nessas atividades, é útil olhar para trás e lembrar o que nos trazia alegria na infância. A criança, livre das restrições impostas pela educação e pela sociedade, representa a espontaneidade e a imaginação que todos possuímos. Resgatar essa criança interior é um passo vital para reconectar-se com as atividades que refletem nossa verdadeira natureza.


As preferências e interesses que manifestamos quando crianças muitas vezes lançam as bases para nossas paixões e hobbies na vida adulta. No entanto, com o passar do tempo, essas preferências podem mudar de tamanho e proporção, adaptando-se às novas experiências.


Para aqueles que se encontram em um ponto da vida onde as antigas paixões parecem ter se perdido, olhar para trás e refletir sobre os interesses da infância pode ser um ponto de partida revelador. Os livros que escolhemos ler, os temas que nos atraem para pesquisa ou visualização, e até mesmo as conversas que nos envolvem mais profundamente podem ser indicadores valiosos do que realmente nos agrada.


Ao iniciar essa busca interior, é útil começar com o presente e trabalhar de forma retrospectiva, identificando padrões e temas recorrentes. Essa análise pode revelar uma linha consistente de interesses e preferências que persistiram ao longo do tempo, mesmo que tenham evoluído. Por exemplo, uma criança fascinada por histórias de aventura pode se tornar um adulto que adora viajar e explorar novas culturas. Ou alguém que adorava desenhar e pintar pode descobrir uma paixão por design gráfico ou arquitetura.


A redescoberta dessas paixões pode ser um processo emocionante e transformador. Pode levar à exploração de novos hobbies, carreiras e até mesmo estilos de vida. Além disso, pode proporcionar uma sensação de realização e propósito, reacendendo a alegria e o entusiasmo pela vida.


Conheça o caminho da sua alegria


O autoconhecimento é um caminho fascinante que nos convida a mergulhar profundamente em nosso próprio ser. É um processo contínuo de descoberta que nos permite sair do piloto automático da vida cotidiana e nos reconectar com nossa essência. Ao nos estudarmos, começamos a perceber padrões de pensamento e comportamento que, muitas vezes, nos impedem de ver quem realmente somos, criando um vazio existencial que clama por significado e satisfação.


A alegria, essa emoção efêmera e contagiante, não é um estado permanente que se alcança ao atingir certos marcos ou objetivos. Ela é dinâmica, flutuante, refletindo a natureza cíclica de nossa existência. Não é algo que possamos simplesmente possuir, mas sim um estado de espírito que podemos cultivar e experimentar repetidamente ao longo de nossas vidas. A verdadeira alegria surge de dentro para fora, nascendo de momentos de conexão genuína com nós mesmos e com o mundo ao nosso redor.


À medida que avançamos na vida adulta, é comum buscarmos prazer em fontes externas e superficiais, que oferecem gratificação instantânea, mas que apenas mascaram temporariamente nossas dores e frustrações. Essa busca por alívio imediato pode nos levar a um ciclo vicioso de satisfação fugaz e insatisfação crônica, distanciando-nos da realização verdadeira e duradoura.


Para encontrar uma realização autêntica, é essencial buscar prazeres saudáveis que ressoem com quem somos e com o que desejamos criar em nossas vidas. Não é necessário que sejam grandiosos; até mesmo os menores projetos pessoais podem trazer uma sensação de propósito e alegria. Integrar atividades simples e criativas em nossa rotina, dedicando pelo menos uma hora por semana para nutrir nossa luz interior, pode servir como um combustível vital para aumentar o prazer pela vida e nos equilibrar diante dos desafios que enfrentamos.


Aprenda a se amar


A vida humana é um tecido complexo de emoções e experiências, onde a dualidade é uma constante. Oscilamos entre a dor e o prazer, navegando pelos fragmentos que compõem nossa essência. Buscamos incessantemente a felicidade, um sentimento que parece estar intrinsecamente ligado à nossa alma, guiando-nos em nossa jornada evolutiva. No entanto, o que frequentemente encontramos são apenas vislumbres de plenitude, momentos efêmeros de uma satisfação que ainda não aprendemos a sustentar de forma contínua.


No cerne dessa busca está o amor, uma plenitude que preenche o vazio e dá sentido à existência. Mas o amor verdadeiro é um sentimento que muitos de nós ainda estamos aprendendo a compreender e praticar. O amor que conhecemos é frequentemente tingido de egoísmo, limitado a relações românticas ou familiares onde buscamos importância e valorização. Nossas relações são condicionadas pelo que recebemos, dependendo de fatores externos para satisfazer nossos desejos e necessidades.


O amor, no entanto, é algo muito mais grandioso e nobre do que essa visão limitada. É uma força que aprendemos a cultivar ao longo de nossas vidas, em todas as interações que temos com os outros e com o mundo ao nosso redor, e mais crucialmente, com nós mesmos. A capacidade de amar verdadeiramente começa com o amor próprio, um princípio fundamental sem o qual não podemos esperar amar os outros genuinamente.


A autocrítica severa e a autodestruição são indicativos de uma falta de amor próprio. Oscilamos entre o menosprezo e a supervalorização, refletindo os pólos da dualidade aos quais pertencemos, impulsionados pelo desequilíbrio do egoísmo que busca compensação nos outros por algo que não nos concedemos.


É essencial aprender a nos amar. O amor próprio não se trata de adornar a aparência externa para buscar elogios ou reconhecimento, nem de se sentir superior aos outros. Trata-se de aceitar-se completamente, com todas as qualidades e defeitos, conhecendo-se profundamente e sem julgamentos.


Aceite-se sem julgamentos


Entender-se é o primeiro passo para a autoaceitação. Não se trata de aceitar um destino imutável, mas sim de reconhecer e aprender a lidar com as energias que nos definem. Este processo de autoconhecimento nos permite ter uma visão mais ampla da existência, libertando-nos das amarras de metas sociais que definem o sucesso.


A sociedade muitas vezes impõe padrões de realização que podem levar a uma crise pessoal, mesmo entre aqueles que alcançam tais patamares. A verdade é que a vida não é uma competição, mas sim uma escola para a alma, onde estamos constantemente aprendendo a nos aprimorar. Cada pessoa enfrenta lições específicas, de acordo com sua história e fase de vida.


Na jornada educacional da vida, é possível que repitamos certas lições, assim como um aluno pode repetir o ano escolar. No entanto, não regredimos a fases anteriores; podemos estagnar por um tempo, mas o aprendizado continua até que estejamos prontos para avançar.


É uma escolha diária, melhor que seja consciente e saiba que requer persistência. Pois se nos abandonamos, também é uma escolha que nos deixa mais tempo parados na dor e em algum momento teremos que sair de lá de qualquer jeito. Só que a vida respeita nosso longo tempo e nossas escolhas. Mas somos nós que colhemos as consequências, quanto mais nos largamos, mais trabalho dá o retorno quando você não aguentar mais sofrer e perceber que nada é capaz de te tirar deste lugar, que só depende de você.


A auto aceitação, portanto, é um caminho contínuo de crescimento e desenvolvimento pessoal. É um convite para explorar as profundezas de nossa própria alma e aprender com cada experiência. Ao abraçarmos esse processo, nos equipamos melhor para enfrentar os desafios da vida e encontrar satisfação em nossa própria jornada única.


Como se sentir bem só depende de você


A astrologia oferece um caminho fascinante para a autodescoberta e o entendimento do nosso lugar no universo. O mapa astrológico de nascimento, ou mapa natal, é uma representação do céu no momento exato do nascimento de uma pessoa. Este mapa é uma ferramenta poderosa para a introspecção e o autoconhecimento, pois reflete as potencialidades e desafios únicos de cada indivíduo.


Cada um de nós carrega uma individualidade única, uma centelha divina que nos impulsiona na jornada da vida. A astrologia apresenta essa singularidade e nos ajuda a compreender que estamos todos em um processo contínuo de aprendizado e evolução. O mapa natal não é um destino fixo, mas um guia que nos mostra as tendências e possibilidades que podemos explorar para crescer e melhorar.


A busca pela perfeição pode ser uma armadilha, pois a perfeição absoluta é um ideal inatingível. Em vez disso, a astrologia nos ensina a sermos compreensivos e gentis conosco mesmos, reconhecendo que cada passo, mesmo que pequeno, é um avanço na nossa jornada. É importante lembrar que os desafios que enfrentamos hoje são passageiros e que, mesmo que pareça que estamos dando dois passos para trás, estamos sempre avançando.


O estudo do mapa astrológico é um convite para não desistirmos de nós mesmos. Ele nos mostra que, apesar das dificuldades, há sempre um caminho a seguir e lições a serem aprendidas. O mapeamento do nosso ser através da astrologia revela as características únicas que nos ajudam a nortear nossa jornada de autodescoberta, permitindo-nos aprender sobre a vida através da nossa própria experiência.


Lições da astrologia


Cada setor do mapa do nascimento, é denominado casa terrestre, que representa determinadas áreas da vida de uma pessoa. Por exemplo, a Casa 5 é frequentemente associada ao prazer, à criatividade e à expressão pessoal. É o setor que revela como se sentir bem consigo mesmo, o que nos traz alegria e onde podemos brilhar. A análise da Casa 5 pode desvendar hobbies, paixões e até mesmo talentos ocultos.


Entender todos os temas que estão correlacionados na Casa 5 são os temas aqui apresentados, é uma das lições que a astrologia nos apresenta sobre o funcionamento da vida.


Ao compreender melhor os signos e planetas que influenciam a Casa 5, podemos aprender mais sobre o que nos motiva e nos faz sentir realizados. Isso é uma fonte de cura das dores, do caminho da autoestima e autoconfiança, do aprendizado do amor genuíno que nos preenche e transborda em alegria de viver e manifestação da força criadora através da nossa luz no mundo. 


Isso é uma das partes que constitui o nosso ser. Se você quer encontrar um caminho para se conhecer e se aperfeiçoar que você mesmo pode se estudar e descobrir quem você é e como funciona e a partir disso entender mais sobre o universo e a vida, te convido a conhecer o método Astrologia Guia que te proporciona este conhecimento para sua busca autodidata.


Você vai descobrir que como se sentir bem consigo mesmo não é um estado constante, mas é um caminho que precisa ser aprendido e percorrido por vontade própria e persistência, pois é essencial para se conectar com a plenitude do amor maior pela vida, por tudo e todos. É o que cura o coração para seguir em frente na jornada da evolução.



Comments


bottom of page